Esposa do presidente da câmera de vereadores de Mucuri recebeu auxílio emergência


15/06/2020 22h05 | Por: Maisteixeira/Fonte falameunobre

O Governo Federal recuperou R$ 29,65 milhões do auxílio emergencial que foram pagos a pessoas fora dos critérios para recebimento do benefício, até a última sexta-feira (12).

Dentro do universo de quase 60 milhões de pessoas que já receberam o benefício, o número de erros é refratário e estão sendo realizadas ações para recuperar os valores repassados de forma imprópria.

De acordo o site falameunobre de Mucuri, no Extremo Sul da Bahia, aparece como beneficiária do Auxílio Emergencial a senhora Pâmela Honorato Bremer, que segundo o site seria esposa do vereador e presidente da câmara municipal de Vereadores da cidade, Xandão Seixas, e teria recebido o beneficio do auxílio no valor de R$ 1.200,00

O auxílio emergencial deve ser pago as pessoas que confirmarem renda total da família sem ultrapassar R$ 3.135,00. O salário pago a um vereador do município de Mucuri é de R$ 6.020,00, valor muito superior ao teto estabelecido pelas regras do programa do governo federal. 

Com relação ao valor recebido pela esposa do presidente do legislativo mucuriense, segundo a lei que criou o auxílio, mães solteiras é que se encaixam nas regras para ter o auxílio, recebem cota dupla, de R$ 1.200,00. Segundo a portaria que regulamenta o auxílio, as famílias em que a mulher é a provedora terão direito a duas cotas do auxílio quando forem compostas por mulher sem cônjuge ou companheiro, com pelo menos uma pessoa menor de 18 anos, sem a existência de outros componentes na família.

Mesmo após pagar uma parcela do auxílio emergencial, o Ministério da Cidadania faz uma reanálise dos dados de cada beneficiário. Isso quer dizer que, caso haja irregularidades na situação do trabalhador informal, ele poderá perder o benefício. Entenda:

Essa mudança na situação pode acontecer, por exemplo, para quem foi aprovado para receber o auxílio e, entre uma parcela e outra, conseguiu um emprego com carteira assinada. Ao fazer a reanálise, o Ministério da Cidadania vai notar a diferença e pode cortar o benefício.

Essa regra também vai valer para quem começar a receber outro benefício entre o recebimento da primeira e segunda parcela do auxílio emergencial, como, por exemplo, uma aposentadoria. Nesse caso, também será cortado o pagamento do auxílio de R$ 600.

Há ainda um terceiro caso em que a pessoa pode ter o pagamento do benefício suspenso: caso a renda da família fique acima de três salários mínimos (R$ 3.135) ou caso a renda mensal por pessoa da família passe a ser maior do que o valor equivalente a meio salário mínimo (R$ 522,50).